UM DIA EM QUE A SEXTA-FEIRA ERA 13

A verdade é o oposto da ignorância e a ignorância é a causa primordial da superstição.

―Jackson da Mata

Sexta-Feira 13, março de 2015

Sempre achei meu pai uma criatura sui generis. Bem descomunal mesmo, com uma característica compreensível e singular. No inicio da década de 90, quando nosso fogão tinha asas, ele chegou a nossa casa com um jornal de grande circulação da época em mãos mostrando-nos a matéria de capa, em que ele era o entrevistado, com o tema: “Não Tenho Medo de Gato Preto”. Acompanhado da matéria estava uma foto em que ele simulava passar debaixo de uma escada.

Era um período em que as informações ainda não corriam na velocidade da internet, mas as inovações tecnológicas já estavam deixando a vida cotidiana cada vez mais prática.

O Brasil ainda respirava um tempo de transições preparando o terreno para os oportunistas de um futuro governo ganhar as credibilidades de uma pequena estruturação econômica.

Um tempo em que os presidenciáveis eram homens extremamente supersticiosos:

— Collor, do início da década de 90 foi um homem cheio de superstições. [1]

— Itamar, sucessor do infortúnio, dizia não usar terno marrom. [2]

— FHC dirigia fazendo figas com os dedos nas duas mãos. [3]

Até aquele momento as sextas-feiras 13 passavam despercebidas por meu olhar de menino. Meu pai, exibindo a matéria em que ele era o protagonista, alumiava que essas cismas não passavam de enganação; enquanto que minha mãe nos proibia de assistir aos filmes de terror, costumeiramente exibidos na TV nestes dias propícios.

Não importava o que meu pai dizia, como criança, criávamos um mundo só nosso; cheio de imaginações. Como diriam nossos conterrâneos Amazonenses: “Espia só,… as crianças ficaram todas encasquetadas”. E realmente ficamos! Crianças se encasquetam com tudo.

O Brasil é um país extremamente supersticioso, se é um dos maiores do mundo não cabe a eu afirmar. Esse mundo de simpatias é um desconhecido mundo de absurdos. Já ouvi falar que nos EUA muitos prédios não possuem o 13º andar.

No Brasil, o único azar atrelado ao número 13 em que realmente acredito ser um atraso e infortúnio é o 13 do PT. Como disse certa vez Levir Culpi, [4] “A única coisa que evoluiu no Brasil foi o atraso”. Esta é uma frase antológica que define o pensamento dos brasileiros que vestem as cores da bandeira contra a corrupção.

Afirmo com toda propriedade que só acredito em uma superstição, ela é imbatível e sempre dá certo quando o assunto é dinheiro. Acredite! A melhor simpatia para ganhar dinheiro é labuta. E muita labuta!
_________________________________

sexta13

[1] Rosane Collor revela que ex-presidente fazia rituais de magia negra na Casa da Dinda. Fantástico, de 15/07/2012.

[2] Revista Veja, de 30 de setembro de 1992.

[3] Afirmado por Florestan Fernandes Jr, no Roda Viva de 11/3/1991, posteriormente negado por FHC; ele disse que o FHC o levava para a escola junto com seus filhos e guiava fazendo uma figa [com os dedos das duas mãos], enquanto segurava a direção do carro.

[4] Em entrevista ao Jornal Estado em 17/11/14.

Ilustração, via Heróis da TV.

48 thoughts on “UM DIA EM QUE A SEXTA-FEIRA ERA 13

  1. Pingback: Homepage
  2. Pingback: zipline kits
  3. Pingback: roofing contractor
  4. Pingback: etisalat
  5. Pingback: cpns kemenkumham
  6. Pingback: Agen Win
  7. Pingback: DMPK
  8. Pingback: visit homepage
  9. Pingback: info here
  10. Pingback: website for game
  11. Pingback: mondo sonoro
  12. Pingback: dental care
  13. Pingback: adme
  14. Pingback: Bandar Judi
  15. Pingback: jocuri friv
  16. Pingback: situs poker
  17. Pingback: Law Diyala
  18. Pingback: masini inghetata
  19. Pingback: 192.168.l0.l Login
  20. Pingback: Walkie Talkie Test
  21. Pingback: Lake Texoma
  22. Pingback: www.graphxdiva.com
  23. Pingback: Bdsm chat

Deixe uma resposta