O SENSACIONALISMO IMPREGNADO E A COMISERAÇÃO DE UMA SOCIEDADE COMBALIDA

Racismo no Brasil, além de dar cadeia, põe comida na mesa de muitos jornalistas sensacionalistas. Relembre o caso da gremista Patrícia Moreira da Silva, que no dia 28 de agosto de 2014 foi flagrada pelas câmeras de tevê gritando “macaco, macaco,…” para o jogador negro conhecido pelo apelido de Aranha. A grande repercussão foi mais um dos inúmeros exemplos da mediocridade de nossos jornalistas sensacionalistas.

A gremista falhou? Sem dúvidas! Uma falha isolada, falando o que não devia em lugar e hora erradas.

Dá-nos o direito de mitificá-la como racista? Mas é claro que não!

Destroem a vida de uma garota por uma bagatela de sensacionalismo. E o que mais tem é espectador da desgraça, esperando por um ato imprevisto pra massacrar o “culpado” pelos males sociais. Não sabem eles, os abutres, que são os maiores causadores de tamanha hipocrisia. Literalmente nos convidam para apreciar a comiseração de uma sociedade combalida.

Tornamo-nos especialistas em esquadrinhar as desgraças, e isso com um único objetivo, estranho e controverso, mas com a capacidade espúria de uma sociedade mórbida apta a fazer de um copo d´água a maior tempestade possível. Desde que seja no brioco dos outros!